Missões e misericórdia.


Por Fernando Corrêa


Dentre os diversos atributos de Deus, encontramos a sua rica misericórdia. Para perceber o Seu amor diante de um mundo repleto de acusações e cheio de maldade é preciso um esforço no sentido de verificar o que a Bíblia diz sobre o assunto. Nosso maior exemplo de amor é Cristo, que é a expressão exata do ser de Deus, e as Escrituras estão repletas de exemplos de misericórdia de sua parte.

Vejamos onde a palavra misericórdia aparece pela primeira vez na Bíblia.

Gn 19,16 ​“Como, porém, se demorasse, pegaram-no os homens pela mão, a ele, a sua mulher e as duas filhas, sendo-lhe o SENHOR misericordioso, e o tiraram, e o puseram fora da cidade.
Este texto é muito importante, pois mostra uma atitude enérgica do anjo diante de Ló e sua família a fim de livrá-los da destruição da cidade. O que devemos considerar aqui é que esse livramento de Deus na vida de Ló e sua família estava relacionado a misericórdia de Deus e a promessa que Ele havia feito a Abraão conforme o verso 29. Desta forma podemos entender que Deus opera a sua misericórdia por possuir uma aliança com seus servos. Deus havia visto que em Sodoma havia uma família de justos. Vejamos o que Pedro menciona em sua Epistola: 1Pe 2, 7 ​“e livrou o justo Ló, afligido pelo procedimento libertino daqueles insubordinados.” Vejamos que mesmo em meio a uma cidade repleta de libertinagem, Deus livra a vida de uma família inteira por causa de sua aliança com Abraão, mas também porque considerava que no meio daquela família havia um justo. Existe aqui duas causas da misericórdia de Deus. Em primeiro lugar porque Deus havia escolhido um homem e o fez por sua soberana vontade, e em segundo porque sua geração se tornou justa, e o Senhor o livrou por isso. Duas causas, a escolha de Deus e a fidelidade de um homem.
Existe sempre uma causa primeira da misericórdia de Deus que está relacionado com sua vontade. Deus tem misericórdia de quem Ele quer, conforme vemos em Rm 9 quando relata a história de Jacó e Esaú. Me parece ali que mesmo Jacó tendo andado em caminhos tortos durante muito tempo, na soberba do seu próprio coração, e sendo infiel ao seu irmão e pai Deus havia um plano na vida de Jacó. Esse plano era incrível pois falava também de uma missão. Deus da forma mais amarga revela a sua misericórdia na vida de Jacó deslocando o osso da sua cocha, o marcando e dando a ela uma missão sublime. Muitas vezes quando não conseguimos reconhecer a dureza de nosso coração Deus nos ama e nos quebra. Esse quebrar de Deus tem haver com a sua escolha também. Existem pessoas na Bíblia que Deus não abre mão. Ele deseja usar de qualquer forma e é aquela pessoa que ele quer. Assim também como o profeta Jonas. Jonas não queria, mas Deus queria. Também na vida de Moises. Ele colocou limitações para Deus como o seu falar pesado, mas Deus queria Moises. Não é possível fugir de Deus e isso não depende de nosso caráter. Quando Ele escolhe alguém para um propósito também forja o caráter para que o individuo seja aprovado. Com isso não quero afirmar que Deus usa simplesmente pessoas que estejam com pecados ocultos ou andando em trevas, mas que seu amor as transforma e as faz uma vaso para honra.  Neste sentido vejamos ainda o Salmo abaixo.

Bem-aventurado aquele cuja iniquidade é perdoada, cujo pecado é coberto.​Bem-aventurado o homem a quem o SENHOR não atribui iniquidade e em cujo espírito não há dolo.Enquanto calei os meus pecados, envelheceram os meus ossos pelos meus constantes gemidos todo o dia.Porque a tua mão pesava dia e noite sobre mim, e o meu vigor se tornou em sequidão de estio.Confessei-te o meu pecado e a minha iniquidade não mais ocultei. Disse: confessarei ao SENHOR as minhas transgressões; e tu perdoaste a iniquidade do meu pecado.
Sendo assim, todo homem piedoso te fará súplicas em tempo de poder encontrar-te. Com efeito, quando transbordarem muitas águas, não o atingirão.Tu és o meu esconderijo; tu me preservas da tribulação e me cercas de alegres cantos de livramento.Instruir-te-ei e te ensinarei o caminho que deves seguir; e, sob as minhas vistas, te darei conselho.Não sejais como o cavalo ou a mula, sem entendimento, os quais com freios e cabrestos são dominados; de outra sorte não te obedecem.Muito sofrimento terá de curtir o ímpio, mas o que confia no SENHOR, a misericórdia o assistirá.Alegrai-vos no SENHOR e regozijai-vos, ó justos; exultai, vós todos que sois retos de coração. Salmo 32.




Vejamos que o salmista inicialmente afirma que existe alguém que é bem-aventurado. Aquele que o Senhor não atribui a iniquidade. Sabemos que esse texto fala de um momento difícil da vida de Davi. Talvez esse tenha sido um momento impar em sua vida. Ele está diante de um pecado terrível. Talvez ele tenha se perguntado: Para mim não há mais salvação? Meu reino não seguirá? Deus não poderá mais contar comigo? Contudo não foi essa a conclusão final que ele chega ao final do Salmo. Por mais que houvesse iniquidade, por mais que houvesse um coração que permaneceu durante um período como terra árida esse homem experimenta a misericórdia de Deus. Essa misericórdia vem por meio de uma confissão e um arrependimento genuíno. Ele reconhece que existe sofrimento para o ímpio, mas que os que confiam no Senhor a misericórdia os assistirá. É possível que muitos entendam que quando alguém se desvia do caminho e comete pecados terríveis, Deus deixa de contar com essa pessoa. Pelo contrário, muitas vezes passamos por essas experiências em primeiro lugar para que possamos entender que somos falíveis e que Deus é bondoso. Também para que possamos ver a salvação de Deus. Pois um Deus misericordioso pode nos livrar até da maior lama e nos usar.
Como exemplo disso podemos mencionar três histórias importantes do Novo testamento. Essas histórias em momento algum afirmam que o pecado e o desvio é algo bom, mas que Deus é um Deus perdoador e grande em amor. Que sua bondade excede qualquer tentativa humana de exercer misericórdia.
A primeira que quero mencionar encontra-se em João capitulo 8. Esse texto é uma grande afronta para os legalistas e fariseus. Um texto que mostra a grande misericórdia de Deus ao perdoar uma mulher prestes a ser sumariamente executada. Essa mulher talvez até achasse que deveria ser condenada, pois como Judia conhecia as regras que regiam sua nação. Sabia o risco que estava correndo. Contudo, ela se deparou com aquele que é cheio de amor e bondade. O próprio Deus encarnado. Ele confronta os doutores da lei. Foi uma disputa excelente. De um lado os doutores do legalismo, do outro o doutor do amor. Com uma pequena palavra ele desbanca todo o legalismo daqueles homens. Dai em diante a única coisa que ele pede a essa mulher é que ela vá e não peques mais. Diante de tão grande amor é possível ver que essa mulher tenha entendido que deveria ser grata a Jesus e obedece-lo com todo o seu coração. Os doutores da lei, não entendem essa graça, mas, uma coisa eles tiveram de considerar. Eles também eram pecadores e precisavam largar as pedras. Alguns entendem que essa era Maria Madalena, não podemos afirmar com certeza, contudo se essa aproximação for real temos aqui uma mulher grata que seguiu a Cristo com todo seu coração até o final da vida. A força do legalismo foi derrotada com a força da graça e perdão. Essa mulher é lembrada até hoje.
A outa história é a do filho que volta, ou o prodigo. Essa história em forma de parábola vemos registrada em Lucas 15,11 - 32. É possível perceber o amor incondicional de Deus em receber um filho que comete todo o tipo de pecado. Os piores. Prostituição, ingratidão, desejou a morte do próprio pai e se contamina com todo tipo de sujeira. Diante de tão grande e terrível pecado o que fazer? Apedreja-lo? Nunca mais confiar? Recebe-lo como escravo? Não! Nenhuma dessas opções é a opção de Deus. Ele o recebe de volta. Vai ao encontro e ainda faz uma festa. Ele não pensa se deve ou não dar uma nova chance. O filho estava quebrado e humilhado. Era somente isso que o Pai precisava. De um filho completamente rendido. Infelizmente esse filho teve de experimentar o pior. Mas, o seu pai (Deus), não estava disposto a abrir mão daquele filho.
A terceira história encontra-se no capitulo 21 de do evangelho de João. Jesus está diante de Pedro. Aquele discipulo tão confiante que achava que iria até a morte com Jesus. Jesus já havia o exortado que Satanás ia o desestruturar. Jesus sabendo disso intercede por Pedro. Cristo não iria perder seu discípulo. Todavia, no momento onde a promessa de Pedro se cumpriria, no momento onde ele poderia, na prática, confirmar que estava disposto a tudo por Cristo, ele faz exatamente o contrário. O nega de forma cruel. Aquele que esteve perto do mestre afirma que nunca havia estado com ele. Que obra terrível. Após reconhecer o sinal do galo que catou esse discipulo chora amargamente. Experimenta um profundo arrependimento. Talvez ele estaria se perguntando se Jesus voltaria a confiar nele novamente. A resposta a essa pergunta está no capitulo 21 de João. Em primeiro lugar Cristo o confronta, não com o fim de acusa-lo, mas para mostrar a Pedro que o seu amor era falível e que ele precisava do Espírito Santo para corrigir essa carnalidade. Em seguida, de forma majestosa, Cristo confia a Pedro, não somente pequenas responsabilidades, mas a maior responsabilidade que poderia ter dentro deste mundo. Pastorear ovelhas. E não eram quaisquer ovelhas. Naquele momento Jesus passa o cajado a Pedro. E diz pastorea as minhas ovelhas. Jesus da uma missão tremenda a um homem que acabará de negá-lo da forma mais vil. O que podemos afirmar diante de tão grande amor e misericórdia. Que existe um chamado de Deus para pessoas imperfeitas, mas que estão dispostas a amar a Deus e fazer a sua vontade no mundo. Esse chamado é para aqueles que experimentam a sua misericórdia. Não existe plano frustrado para Deus.Jesus sabia muito bem quem ele estava escolhendo. Não foi um acidente. Jesus não se uniu a Pedro para depois o jogar fora. Ele mesmo fala que os que Deus os deu não perdeu nenhum, exceto o que já estava destinado a perdição.
Entendo que Deus chama os seus filhos, da a eles os recursos necessários para cumprir o seu propósito missionário e também no decorrer da história forja o caráter de seus filhos e isso com provações e lutas. Faz isso porque quer que seu propósito seja cumprido. Ele deseja usar pessoas imperfeitas, mas que confie que Ele é suficiente para nos tornar santos como Ele é. Devemos sim odiar e temer o pecado. Devemos sim buscar ser como Cristo e um processo. Deus não descarta seus escolhidos. Ele os chama de volta lhes da vestes novas e diz conto com você, dos seus pecados não me lembro mais, não existe pecado imperdoável. Vá e faça diferente agora por amor ao Pai que lhe deu tanto amor.
Termino essa parte fazendo referência a canção que se tornou o hino da graça de Deus.

Maravilhosa Graça, Oh quão doce é o som
Que salvou um miserável como eu
Eu estava perdido, mas agora eu me encontrei
Eu estava cego, mas agora eu vejo.
Quando estivermos lá há 10 mil anos,
Brilhantes como a luz do sol,
Não teremos menos dias para cantar louvores a Deus
Do que quando, quando começamos no princípio
Por muitos perigos, labutas e armadilhas,
Eu já passei
A graça de Jesus me trouxe seguro, tão distante,
E a graça me levará para casa.
Maravilhosa Graça, Oh quão doce é o som
Que salvou um miserável como eu
Eu estava perdido, mas agora eu me encontrei
Eu estava cego, mas agora eu vejo.[1]


Poderíamos fazer ainda referência a tantos outros homens e mulheres de Deus que estiveram na Bíblia e experimentaram essa graça, contudo, quero terminar com um texto maravilhoso, de um homem real que amou como Cristo amou sua igreja.
Vinde, e tornemos para o SENHOR, porque ele nos despedaçou e nos sarará; fez a ferida e a ligará.
Depois de dois dias, nos revigorará; ao terceiro dia, nos levantará, e viveremos diante dele.
​Conheçamos e prossigamos em conhecer ao SENHOR; como a alva, a sua vinda é certa; e ele descerá sobre nós como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra.
​Que te farei, ó Efraim? Que te farei, ó Judá? Porque o vosso amor é como a nuvem da manhã e como o orvalho da madrugada, que cedo passa. Os 6,1-4



A maravilhosa graça de Deus, nos traz de volta com gritos e cordas de amor, nos restaura e nos usa para Sua glória. Pessoas totalmente rendidos a Deus, que foram quebradas por ele podem marcar essa terra de forma poderosa.




[1]https://www.letras.mus.br/elvis-presley/31569/traducao.html

Comentários